Translate

domingo, 26 de novembro de 2017

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

SAIBA QUAL É MELHOR MANEIRA DE DAR BANHO EM SEU ANIMALZINHO EM CASA

novembro 16, 2017 0 Comments
Quer saber como dar banho em casa em seu animalzinho de estimação da maneira certa?
Leia essa reportagem retirada do site Meus Animais.

Sempre dissemos que ter um animal de estimação é mais do que fazer mimos e carícias em uma coisinha peluda que nós adoramos. Isso requer uma certa responsabilidade e, dentro desta, se inclui o banho, uma parte importante da higiene do animal. Então surge a pergunta, pet shop ou dar banho em casa?
Muitos optam por levá-lo mensalmente ao pet shop, mas nem todos podem se permitir isso e preferem banhar seu pet em casa. Embora às vezes isso seja trabalhoso, é uma oportunidade única de estreitar os vínculos com o seu animal de estimação.
Para facilitar o trabalho, decidimos te dar alguns conselhos para que dar banho em casa seja uma tarefa mais amena.

Dar banho em casa, como?


gato-goste-do-momento-do-banho

Embora pareça um trabalho tedioso, com um pouco de organização, tudo é possível. Vamos por partes e já você verá que dar banho em casa não é tão difícil.

Escolha um xampu

A pele e o pelo dos animais são muito diferentes dos nossos, por isso, ter um xampu especial para eles é primordial antes de começar a dar banho em casa. Os xampus para cães se adaptam a suas necessidades e farão com que seu pelo e pele fiquem saudáveis e brilhantes.

Busque o espaço perfeito

Para dar banho em casa em um cão é necessário ter um espaço amplo para fazê-lo, não só pela comodidade do animal, mas também para deixar você mais confortável. Você necessitará de um jardim, quintal ou um terraço amplo ou, em falta disso, um banheiro grande que permita tanto a você como ao seu animal de estimação ter mobilidade.

Atenção as suas áreas delicadas

As orelhas são uma das partes mais delicadas de um cão, especialmente na hora de banhá-lo. É muito fácil que a água entre pelas orelhas ocasionando uma otite que depois será difícil de tratar. O melhor é que você as tampe com algodões antes de dar banho em casa.

Temperatura da água

Não devemos supor que, porque seu pelo e sua pele são grossos, eles poderão suportar uma temperatura muito quente. Isto é totalmente falso e também desnecessário. Portanto, coloque água morna, mas puxando mais para fria do que para quente. Essa será a temperatura ideal para que o seu animal se sinta cômodo.

Comece a lavagem

Uma vez molhado, aplicaremos o xampu em sua coxa e esfregaremos com energia, mas com cuidado, para tirar a sujeira. Depois chega o momento das patas, que é a região que mais ele suja, pois é a que tem maior contato com o chão.
Depois nos centraremos na cabeça, tendo um cuidado especial com os olhos e orelhas para evitar problemas mais tarde.

Enxágue

Para o momento do enxágue, o mais recomendável é começar da cabeça para trás, com água em abundância, devemos esfregar bem para que não fiquem restos de xampu. É importante dedicar o tempo necessário para isso, até nos assegurarmos de que está ele totalmente sem xampu em seus pelos.

Secar


como-pentear-seu-cao

Antes de passar para a parte mais temida pelos animais de estimação, o secador, o melhor é que você retire o excesso de água com uma toalha. Seque com a toalha tudo o que puder, para que o suplício da secagem automática seja o mais curto possível.
Se seu cão tiver muito medo do secador, você tem duas opções. A primeira é deixá-lo secar ao ar livre. A segunda, tentar um dos secadores especiais para cães. Estes fazem muito menos ruído e a temperaturadeles não é tão alta.

Escovação

Por último, resta a escovação. Se você desejar, e se seu cão aguentar, você poderá passar um pouco de colônia do aroma que preferir. Depois escove da cabeça para o lombo e, por último, a cauda e as patas.
Lembre-se de que escovar um cão diariamente permitirá que a pelagem dele fique sempre saudável e brilhante e, além disso, retardará a próxima sessão de banho.

domingo, 12 de novembro de 2017

Como administrar seus gastos com seu animal de estimação

novembro 12, 2017 0 Comments

Artigo muito interessante, encontrado no site organizze, sobre como administrar os gastos com os animais de estimação.

Se você tem interesse, ou tem um pet de estimação, vale a pena ler a reportagem,

Escrito por: 

É praticamente impossível resistir à tentação de ter um animal de estimação em casa, não é mesmo? Companheiros para você e para a sua família, os bichinhos realmente mudam as nossas vidas e as nossas rotinas — e, claro, as nossas finanças. Por isso, antes de tomar a decisão de adotar um, é importante pensar em como administrar os gastos que virão com ele.

Diferentemente da compra de uma mercadoria, o animal de estimação vai impactar o orçamento familiar de forma decisiva, e não apenas em algumas parcelas. Segundo um estudo do IBGE de 2016, O Brasil é um dos principais países do mercado pet mundial, atualmente situado em terceiro lugar. Parece muito, não é? Mas com algumas dicas é possível cuidar bem do seu bichinho e do seu bolso. Anote aí:

Gastos iniciais


Assim como qualquer outra despesa, o investimento inicial ao ter um pet é maior. Calcule, nos primeiros meses, gastos com os primeiros cuidados com o animal, como os vermífugos e vacinas necessárias nos primeiros meses e os itens indispensáveis para o conforto do bichano, como comedouros e bebedouros, cama, caixa de areia ou casinha, coleira e brinquedos. Vale ainda pensar se não há nada na sua casa que precise ser adaptado, como a inclusão de telas na janela (no caso dos gatos, isso é fundamental) ou no quintal.

Para economizar nessa fase, pense em adotar em vez de comprar o seu bichinho — além de mais barato, é mais sustentável e politicamente correto. Se for pegar algum item emprestado para baratear os seus gastos, lembre-se de esterilizar bem o que será usado.

Gastos mensais


Agora que você já orçou as suas despesas iniciais, faça uma projeção de como administrar os gastos mensais com o seu animal de estimação. Um estudo da FGV (Fundação Getúlio Vargas) de 2015 estimou que ao longo da vida do pet são gastos em torno de R$ 60 mil, o equivalente a dois carros zero! Quer saber para onde vai tanta grana?

→ Alimentação


Sem dúvida é o item mais dispendioso. Ao calcular, não adianta escolher a opção mais barata de ração, pois a saúde do seu animal também depende disso. Do odor das fezes à frequência com que as faz e até o humor do seu bichinho podem ser impactados pelo tipo de alimento. Considere também o porte do animal ao fazer o cálculo, bem como a diferença de idade, já que as opções para recém-nascidos variam de valor em relação aos adultos e idosos.
  

→ Higiene


Banho e tosa precisam ser realizados com frequência, de preferência por um profissional qualificado. Você pode administrar esses gastos tomando cuidado principalmente com o luxo que quer dar ao seu animal. Cada vez mais, entram na moda tratamentos estéticos, anti estress e até tinturas e tosas que dão mais estilo ao pet. Pondere exatamente o que é necessário para a saúde do animal e o que são os gastos supérfluos.

→ Acessórios


Brinquedos, escovas, cobertores e roupinhas precisam ser trocados com certa frequência também, tanto pelo crescimento do pet quanto pela vida útil desses objetos. Tome cuidado com os gastos extras na escolha dos itens, cuja variedade de opções pode ser tentadora.

→ Gastos preventivos


Não é só no começo da vida que os animais precisam tomar vacinas e visitar o médico. Assim como os vermífugos, que podem ser aplicados de tempos em tempos, as vacinas têm prazos de validade e precisam ser dadas na frequência indicada pelo veterinário para evitar que doenças ou complicações surjam para o animal.

→ Veterinário


A ida ao médico é, além de uma segurança, uma necessidade em alguns casos. Não dá pra prever quantas vezes o seu pet precisará fazer uma visita ao consultório, mas é importante reservar uma quantia para essas ocasiões.

Já estão disponíveis no mercado planos de saúde para animais, que variam de R$ 35 a R$ 180, aproximadamente. Apesar de ser um gasto fixo mensal, você pode economizar no futuro, visto que normalmente as taxas já cobrem despesas com cirurgias e atendimentos regulares e emergenciais. Há planos ainda que oferecem desconto na compra de acessórios do pet shop.

→ Serviços


Além dos serviços médicos, você pode já estimar como administrar os gastos com outros tipos de profissionais, como o hotel, para uma família que viaja muito, ou o andador de cães, caso trabalhem fora e não tenham tempo de levar o animal para passear.

Já deu para perceber o quão complexa é a gestão de gastos com um animal de estimação? Para entender qual a quantia total que você precisará investir, pode fazer uma conta simples depois de ter orçado os itens acima: multiplique os gastos mensais pela expectativa de vida de seu pet (se quiser ser ainda mais preciso, adicione os juros anuais da inflação). A seguir, some o investimento inicial. Tomou um susto? Daí a necessidade de preparar bem o seu orçamento para essa nova despesa.

Todo esse planejamento, porém, não deve te desmotivar a ter um bichinho em casa. Já existem diversas ferramentas que te ajudam no processo e em como administrar os gastos relacionados à chegada do novo integrante da família. Uma dessas opções é um software de gestão de finanças. Basta inserir as informações das compras e do seu animal que ele faz todo o trabalho por você! Além de te ajudar na gestão, ele mantém o seu estilo de vida sem fazer com que você tenha que abrir mão dos seus planos.
Fonte: organizze

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

sábado, 4 de novembro de 2017

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Motivos para NÃO ter um pet

novembro 02, 2017 0 Comments

Animais não são brinquedo, dão trabalho, custam caro para manter e podem não atender às suas expectativas. Mas o mais importante: eles são seres vivos que sofrem com a separação. Por isso, se não tiver certeza absoluta de que vai amá-lo incondicionalmente e não vai abandoná-lo, jamais compre ou adote um
Aqui no blog, somos loucos por animais e estamos sempre oferecendo mil e um motivos para viver ao lado de um. Eles são companheiros, amorosos, engraçadinhos, contribuem para a socialização dos tutores, nos colocam para nos exercitar mais e jamais pedem nada em troca.
Porém, hoje vamos listar motivos para não ter um pet. Quem participa de grupos sobre cães, gatos e cia. no whatsapp ou facebook sabe da quantidade imensa de pessoas que, todos os dias, tentam se desfazer dos melhores amigos. Alegando separação, viagem, alergia, falta de tempo etc, elas anunciam animais que, já adultos, certamente sofrerão muito com a separação.
Não estamos aqui para julgar quem o faz. Mas queremos ajudar a impedir que isso aconteça. E a melhor forma de evitar que um cão, um gato ou qualquer outro pet seja descartado é refletir se você realmente pode, quer e tem condições de mantê-lo sob seus cuidados por muitos e muitos anos. Então, antes de ceder a impulsos ou aos pedidos das crianças por um animal, pense que:
1 – Filhotes são muito lindos, mas eles crescem rápido e em poucos meses vão perder aquela carinha de bicho de pelúcia. Se o motivo de você querer levar um para casa é a carinha fofinha do filhote, então considere admirá-los apenas em fotos.
2 – Filhotes são muito lindos, mas eles estão descobrindo o mundo, e geralmente destroem tudo o que veem pela frente. Embora possam e devam ser adestrados para evitar comportamentos destrutivos, é quase impossível evitar que estraguem algumas coisas dentro de casa, além de fazer muita bagunça. Se você não tem paciência ou é muito apegado às coisas materiais, esqueça essa ideia.
3 – Animais não são brinquedo. Por mais óbvia que pareça essa afirmação, muitas pessoas insistem em dar cães, gatos, aves, roedores etc para os filhos em datas comemorativas. Principalmente as crianças pequenas podem querer puxar orelha, rabo, patinhas; além de apertar os animais, causando desconforto a eles e correndo o risco de serem mordidas. Além disso, ao contrário do cachorro de pelúcia, o de verdade pode não estar à disposição dos pequenos todas as vezes em que eles quiserem brincar.
4 – Animais dão trabalho. Eles precisam passear três vezes ao dia: já imaginou que tortura é ficar o dia inteiro preso dentro de casa? Fora do horário dos passeios, eles também precisam de estímulos e brincadeiras constantes. Além disso, necessitam de cuidados como escovação de pelos, banhos, tosas… Sem falar que os potes de água têm de ser trocados várias vezes ao dia, e o alimento tem de ser oferecido de acordo com a recomendação do veterinário. Por falar em veterinário, consultas de rotina, vacinações e tratamentos dentários também estão dentro das necessidades dos pets.
5 – Manter um animal é caro. Você vai gastar com ração, vacinas, coleira/guia, roupinhas no frio, consultas de rotina, consultas emergenciais, remédios, tapetes higiênicos, adestramento, passeadores, banho, tosa, areia higiênica, brinquedos, hotelzinho… Se não estiver disposto a investir, não pegue um, pois estará privando o animal de itens importantes para seu bem-estar.
6 – Animais sofrem com a separação. Cães e gatos são animais sociais e criam vínculos com os tutores. Ao serem descartados, sofrem muito e demonstram isso com atitudes como automutilação, lambeduras excessivas, apatia e anorexia, entre outros.
7 – Animais não são personagens de filme. Também parece óbvio, não é? Nem tanto assim. No ano passado, logo após a exibição do filme de animação Pets – A Vida Secreta dos Bichos, houve um crescimento nas vendas de dachshund, o salsichinha Billy, que, no trailler, aparece coçando as costinhas numa batedeira. Poucos meses depois, começou o boom de descarte e abandono de dachshunds. O mesmo ocorreu com labradores na época do filme Marley & Eu, e com dálmatas, na época de 1001 Dálmatas. Por mais irresistíveis que sejam esses personagens, não é preciso dizer que, na vida real, nenhum salsicha vai coçar as costas numa batedeira, não é?
8- Animal não é roupa para entrar e sair de moda. Já reparou que, às vezes, uma determinada raça começa a fazer tanto sucesso que praticamente só se vê dela nas ruas? Assim como acontece com os cães comprados por impulso por causa de filmes, aqueles adquiridos porque são a “raça da moda” correm um sério risco de serem descartados. Agora, parece que a moda do abandono pegou os Goldens Retriever. É impressionante a quantidade de gente se livrando deles diariamente. O mesmo vem ocorrendo com o bulldogue francês.
9 – O Brasil tem 30 milhões de animais abandonados. Se não tiver certeza de que quer e pode manter um animal, não contribua para aumentar essa triste estatística.
10 – Expectativa e realidade são coisas diferentes. Às vezes, uma pessoa compra ou adota um animal querendo companhia para atividades esportivas, e fica decepcionada pelo comportamento passivo do pet. Ou, então, quer um cachorro ou gato que fique deitado junto, assistindo TV, mas o animal não gosta de ficar parado nem de ser agarrado. Não idealize um animal. Ame-o pelo que ele é, e não crie expectativas

Fonte:  Paloma Oliveto

SAIBA COMO DENUNCIAR MAUS-TRATOS E CRUELDADES DE ANIMAIS

novembro 02, 2017 0 Comments

NÃO SEJA OMISSO (A) DENUNCIE MAUS-TRATOS E CRUELDADES DE ANIMAIS. SAIBA COMO AQUI.

Quando o assunto é denúncia de maus-tratos ou crueldade contra animais, o Brasil possui legislação pertinente e autoridades competentes que são responsáveis pela manutenção da lei e punição de crimes

Caso você presencie maus-tratos a animais de quaisquer espécies, sejam domésticos, domesticados, silvestres ou exóticos – como abandono, envenenamento, presos constantemente em correntes ou cordas muito curtas, manutenção em lugar anti-higiênico, mutilação, presos em espaço incompatível ao porte do animal ou em local sem iluminação e ventilação, utilização em shows que possam lhes causar lesão, pânico ou estresse, agressão física, exposição a esforço excessivo e animais debilitados (tração), rinhas, etc. –, vá à delegacia de polícia mais próxima para lavrar o Boletim de Ocorrência (BO), ou compareça à Promotoria de Justiça do Meio Ambiente.
A denúncia de maus-tratos é legitimada pelo Art. 32, da Lei Federal nº. 9.605, de 12.02.1998 (Lei de Crimes Ambientais) e pela Constituição Federal Brasileira, de 05 de outubro de 1988.
É possível denunciar também ao órgão público competente de seu município, para o setor que responde aos trabalhos de vigilância sanitária, zoonoses ou meio ambiente. Lembrando que cada município tem legislação diferente, portanto caso esta não contemple o tema maus tratos pode utilizar a Lei Estadual ou ainda recorrer a Lei Federal.

Lei de Crimes Ambientais

“Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:
Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.
§ 1º. Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.
§ 2º. “A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.”

Constituição Federal Brasileira

Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:
VI – proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas;
VII – preservar as florestas, a fauna e a flora;
Art. 225. Todos têm o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para os presentes e futuras gerações.
§ 1.º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público:
 VII – “proteger o Meio Ambiente adotando iniciativas como: proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoque a extinção de espécies ou submetam os animais à crueldade.”
A denúncia pode ser feita nas delegacias comuns ou nas especializadas em meio-ambiente ou animais*. Também se pode denunciar diretamente no Ministério Público ou no IBAMA.

Como proceder nas delegacias

Cumpre à autoridade policial receber a denúncia e fazer o boletim de ocorrência. O policial que se negar a agir estará cometendo crime de prevaricação (retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal - art. 319 do Código Penal). Caso isso aconteça, há como queixar-se ao Ministério Público ou à Corregedoria da Polícia Civil.
Assim que o escrivão ouvir seu relato sobre o crime, a ele cumpre instaurar inquérito policial ou lavrar Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Negando-se a fazê-lo, sob qualquer pretexto, lembre-o de que ele pode ser responsabilizado por crime de prevaricação, previsto no Art. 329 do Código Penal Brasileiro (retardar ou deixar de praticar indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei para satisfazer interesse ou sentimento pessoal). (Leve esse artigo por escrito.)
Tente descrever com exatidão os fatos ocorridos, o local e, se possível, o nome e endereço do(s) responsável(s).
Também procure levar, caso haja possibilidade, alguma evidência, como fotos, vídeos, notícias de jornais, mapas, laudo ou atestado veterinário, nome de testemunhas e endereço das mesmas. Quanto mais detalhada a denúncia, melhor.
Dica: ao ir à delegacia, procure levar por escrito o art.32 da Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal n.º 9.605 de 1998) que esta descrito acima, uma vez que, infelizmente, há policiais que não estão cientes do conteúdo dessa lei.
Saiba que você não será o autor do Processo Judicial que for aberto a pedido do delegado. O Decreto 24645/1934 reza em seu artigo 1º - “Todos os animais existentes no país são tutelados do estado”, Logo, uma vez concluído o inquérito para apuração do crime, ou elaborado TCO, o Delegado o encaminhará ao juízo para abertura da competente ação penal onde o Autor da ação será o Estado.

Como proceder no Ministério Público

O Ministério Público é quem tem a autoridade para propor ação contra os que desrespeitam a Lei de Crimes Ambientais. Sendo assim, pode-se fazer a denúncia diretamente no MP, o que agiliza muito o processo.
Tente descrever com exatidão os fatos ocorridos, o local e, se possível, o nome e endereço do(s) responsável(s).
Também procure levar, caso haja possibilidade, alguma evidência, como fotos, vídeos, notícias de jornais, mapas, nome de testemunhas e endereço das mesmas. Quanto mais detalhada a denúncia, melhor.

IBAMA

As denúncias podem ser feitas pelo telefone 0800 61 8080 (gratuitamente) ou pelo email para linhaverde.sede@ibama.gov.br. O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) as encaminhará para a delegacia mais próxima do local da agressão.

Endereços úteis

Note que o autor do processo judicial será o estado e não você. Sendo assim, não tema denunciar. As organizações não governamentais possuem um papel importante e insubstituível na sociedade. Porém, exerça a sua cidadania. Não se cale frente aos crimes contra os animais e o meio ambiente, e exija das autoridades responsáveis às providências previstas por lei.
Em São Paulo, você pode realizar a denuncia através da Divisão de investigações sobre Infrações de Maus Tratos a Animais e demais Infrações contra o Meio Ambiente. Endereço: Av. São João, 1247 - 7º andar - Centro, das 9 às 19h. Tel.: (11) 3224-8208, (11) 3224-8480 e (11) 3331-8969.
As denúncias também podem ser feitas no site da Delegacia Eletrônica de Proteção Animal (DEPA): http://www.ssp.sp.gov.br/depa
No Rio de Janeiro, você pode realizar a denuncia através da DEMA - Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente. Endereço: Rua S. Luiz, 265 - São Cristóvão. Tel.: (21) 3399-3290, (21) 3399-3298 e (21) 2589-3133. Fax.: (21) 3860-9030 e (21) 3860-3293.

network

link

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...